Notícias   

Especismo, preconceito em estado bruto

Não há coisa mais abominável como o preconceito, daquilo que não se conhece, do que não se vê, e daquilo que não se troca, quando falamos em vidas, sentimentos e existências.  



O preconceito gera formas errôneas de enxergar as coisas, onde criamos obstáculos para não enxergamos essas como são, e sim como aquilo que nos é conveniente. O ser humano se acha o ápice da criação, mas esquece que depende até das abelhas e formigas para continuar sua jornada na crosta terrestre.

Diante de bilhões de espécies de seres vivos, nos destacamos -  talvez do que seria nossa liberdade em termos de consciência, o possuir inteligência. Somos os únicos seres com essa capacidade desenvolvida, porém a utilizamos para produzir o mal, o fútil e o desnecessário. Não há espécie no planeta holisticamente falando mais sem sentido do que a humana. Continuando assim, daremos sim, sentido a própria extinção.

Infelizmente a nossa inteligência veio acompanhada do egoísmo, esse faz com que matemos até nós mesmos, por absolutamente nada, apenas prazer temporário.  O ser humano se auto protege, e subjuga todos a sua volta, e isso se chama especismo. Queremos acabar com o racismo, o sexismo, porém esquecemos também que temos que acabar com o especismo, pois não há maior covardia do que descriminar seres que não falam, e não sabem se defender da maldade humana, que os inclui em sua alimentação, na sua ciência, diversão e vestuário, é justo?

Lutar de igual para igual, é plausível, mas quando essa luta só há vitória de um lado por imposição, isso já se chama covardia. O ser humano é extremamente covarde.

Preconceito é ignorância, porém não existe maior ignorância, do que achar que os animais foram feitos para nos servir, isso é incabível para quem justifica sua capacidade de raciocínio, assim sua  consciência aceitará que  isso não é normal.

 Por Jota Caballero

Fale conosco: contato@direitosdosanimais.org
  APOIADORES