Cuidados Veterinários
Por que cães comem cocô?
05/04/2016 15:34:24
Sintoma: Arritmia
27/02/2016 17:06:38
Tártaro nos cães
04/02/2016 17:40:02
Obesidade canina
05/10/2015 17:23:53
Leucemia viral felina (FeLV)
18/05/2015 17:55:22
Piometra em Cadelas
09/05/2015 16:32:26
Comedouros e Bebedouros
05/05/2015 17:07:29
Gengivite e periodontite
04/05/2015 19:34:52
Sarnas nos gatos
03/05/2015 17:31:14
Giárdia em Cães
01/05/2015 17:42:38
Como identificar dor em cães?
22/04/2015 16:21:19
Afinando relações
27/12/2014 14:42:04
  
Dicas para manter a leishmaniose longe do seu cão
 
Picada de mosquito pode trazer males graves para saúde de cães. Saiba como evitar e tratar a doença. A leishmaniose é uma doença originária da Europa, da África, do Médio Oriente, da China e da América do Sul. É causada pelo LeishmaniaI Infantum, parasita que se acomoda na medula óssea, nos gânglios linfáticos, no baço, no fígado e na pele. 
 
 Cachorro com Leishmaniose

Os cães são os principais hospedeiros, porém, outros animais como gatos, raposas e ratos podem ser afetados, assim como os humanos.  O parasita é transmitido por picadas de insetos das espécies Phlebotomus Perniciosus e P. Ariasi. Eles são amarelos e vivem em refúgios, habitações, caixotes, lixo e áreas verdes. 

 
Prevenção
 
Retire qualquer tipo de material orgânico como folhas, fezes de animais, entulhos e lixo, onde o mosquito possa se reproduzir. A borrifação química é fundamental em áreas onde pode haver a reprodução do mosquito.
 
Use repelentes, coleira própria contra a leishmaniose, vacina específica, higienização do animal e do ambiente.
 
A vacina Leishmune, juntamente com outros métodos preventivos, reduz a chance de contaminação do animal e enfraquece o protozoário em cães já contaminados, diminuindo assim a chance de transmissão. 
 
 
 Doença é transmitida por mosquitos

Formas de transmissão

Além da picada, transfusões de sangue e transmissões venéreas são as principais formas de contágio. Cães que viajam muito, de raças exóticas, que passam longos períodos de tempo fora de casa, de pelo curto e os de dois anos ou mais têm mais chances de serem infectados.
 
Sintomas e diagnóstico
O período de incubação pode durar até dois meses e os sintomas da doença são: aumento dos gânglios linfáticos, crescimento exagerado das unhas, perda de pelo e de peso, úlceras e descamações na pele, atrofia muscular, sangramento no nariz, anemia e alterações nos rins, no fígado e nas articulações.O diagnóstico é feito por meio de exames parasitológicos. 
 
Deve-se cumprir o tratamento recomendado e prevenir as picadas com inseticidas em formato de coleiras, pulverização ou de spot-on. O resultado de um exame para leishmaniose pode ser positivo e sem sintomas. Isso significa, portanto, um contato anterior com o parasita, mas sem o aparecimento da doença. Agora, se o cão é portador e se o parasita for encontrar na pele, é preciso realizar controles laboratoriais para monitorizar a evolução da doença.
 
Fonte: Pet Mag
Fale conosco: contato@direitosdosanimais.org
  APOIADORES